transferir (1) Se outrora a bebida era exclusiva de algumas partes do mundo, hoje em dia o café tornou-se num produto global. Ainda assim, existem regiões onde o seu cultivo marcou de forma determinante a cultura, deixando marcas na sociedade e na economia. Se é um amante do café, leia este artigo e descubra o roteiro de viagem indicado para si.

Provavelmente já ouviu falar de roteiro de viagem do vinho e da cerveja, ou até mesmo visitas onde o chocolate ocupa o papel principal. Mas, e o café? Da Europa até à América Latina, passando pelas terras quentes africanas, mostramos-lhe algumas das principais rotas do café.

De país para país, a bebida misturou-se com diferentes culturas e deu origem, não só a novos sabores, como também a novas tradições. Conhecer as várias culturas por detrás do café é o primeiro passo para se transformar num verdadeiro barista. Ao percorrer este roteiro de viagem poderá descobrir as nuances por que definem um produto complexo – que não é só rico em sabor, como também em história.

Neste post, fazemos o convite e damos o mote para que possa conhecer alguns dos países que já acolheram o turismo do café. Aceite a proposta e parta à descoberta de sabores que nunca antes provou. Já fez as malas? Antes disso, leia este artigo e fique com um cheirinho daquilo que o espera.

Itália

Itália é amplamente conhecida pela qualidade dos seus cafés. O produto faz parte da identidade cultural do país, fundindo-se com as características das várias regiões para dar origem a novas bebidas. Cappuccinos, bicerins ou mocaccinos são apenas alguns dos sabores que poderá experimentar numa viagem gastronómica a Itália. As várias regiões desenvolveram inclusive rivalidades e são muitas as polémicas que envolvem a origem de algumas bebidas.

Quénia

Da próxima vez que olhar para a sua embalagem de café, verifique se, pelo menos, uma pequena porção do café não é proveniente do Quénia. O país é considerado uma potencia produtora no continente africano e é bastante comum oferecer-se uma chávena da bebida a todos aqueles que por lá fazem um safari. O café é encarado como um símbolo do país e existem inclusive programas temáticos com visitas para turistas.

Nicarágua

O café teve um papel importante na história recente da Nicarágua. Depois de um período de instabilidade marcado por revoluções e catástrofes naturais, o país viu no produto a possibilidade de recuperação económica de uma forma lucrativa e sustentável. A par do desenvolvimento do sector cafeeiro, o país apostou também no desenvolvimento do ecoturismo e na criação de programas específicos para amantes do café.

Kona, Havai

O Havai não é só o país do surf. A paixão pelo café faz com que o país realize, todos os anos, no mês de Novembro, um festival dedicado a este produto nas suas várias formas. Durante o evento ocorrem várias atividades, desde concursos de apanha de café, conversas com produtores e visitas turísticas até às quintas mais próximas. E se for até ao país, não se esqueça de provar o café havaiano, uma mistura do café expresso tradicional com coco.

Seattle, Washington

Seatle é considerado o centro do mundo no que diz respeito à torrefação e distribuição de café. A cidade onde surgiu o primeiro Starbucks leva o produto extremamente a sério e é comum as diferentes coffee shops competirem para conseguirem as receitas mais saborosas. As inovações são constantes e fazem as delícias de todos os amantes de café.

Havana, Cuba

Já ouviu falar do expresso cubano? A bebida é típica e surgiu depois da importação das primeiras máquinas italianas. Ao sabor forte do café, os cubanos acrescentam a doçura do açúcar amarelo, adicionado à bebida no meio durante o processo de infusão. Se preferir outra solução, poderá experimentar o Café com Leche, uma mistura de café com leite condensado. Baristas descrevem o café cubano como sendo um dos melhores do mundo.

Brasil

Hoje em dia, o Brasil ocupa o lugar de maior produtor de café do mundo. Assim, a bebida ocupa um papel de destaque não só na economia, como também na cultura do país. Se viajar até lá, não pode deixar de conhecer as antigas fazendas e de perceber quais as principais mudanças tecnológicas que determinaram mudanças na forma como se cultiva e produz o café que chega à sua mesa.