xícara-de-café-1021x580

Sabe aquela sensação de entorpecimento ou até de dificuldade em pensar que sente normalmente antes de tomar um café? Se a resposta é “sim”, então este é sem dúvida o artigo indicado para si. Afinal, porque será que a bebida tem este efeito? E o que acontece depois de ingerirmos o processo?

Para responder a todas as suas perguntas sobre os efeitos do café é necessário, em primeiro lugar, conhecer a composição do café. Salientamos, no entanto, que embora seja possível padronizar os efeitos do café, nem todos os cafés são iguais, da mesma forma que as reações podem variar de pessoa para pessoa.

Está pronto? Então comecemos a nossa explicação por falar em melatonina, a hormona responsável pelo controlo do ritmo circadiano. O ritmo circadiano não é mais do que um ritmo psicológico baseado nas rotinas e influenciado por vários fatores, como as quantidade de luz ou a temperatura. É ele que nos diz quando são horas de comer e quando dormir.

Assim, de forma direta, a melatonina é responsável por dizer ao organismo que necessitamos de mais ou menos 8 horas de sono diário. No entanto, vários estudos já comprovaram que a maioria das pessoas não dorme muito menos do que estas horas. O café contraria o efeito e é por esse motivo que ajuda acordar.

Como o processo de torrefação afeta os efeitos do café

A composição do café varia consoante vários fatores. Depois de colhido, o café passa por vários processos até chegar à sua mesa. Os grãos devem ser secados ao sol para que percam uma grande parte da água contida. Só depois de estarem secos é que se tira a casca.

Os grãos são, depois, embalados e levados para torrefação. É durante esta etapa que se dá a composição do café se torna mais complexa: a água é eliminada e dão-se uma série de reações entre minerais, proteínas, lípidos e açucares.

Submetido a temperaturas entre os 185 e os 240 graus centigrados, o café ganha o tom acastanhado. É neste período que ocorre o famosos processo de caramelização, conhecido como Reação Maillard.

Os efeitos do café verde

O grão verde de café é composto por vários elementos. A variedade é grande e inclui:

Minerais: potássio, magnésio, cálcio, sódio, ferro, mangânes, rubídio, zinco, estrôncio, cromo, vanádio, cobre, bário, níquel, cobalto, chumbo, titânio, cádmio e molibdénio);

Aminoácidos: alanina, arginina, asparagina, cisteína, ácido glutâmico, glicina, histidina, isoleucina, lisina,metionina, fenilalanina, prolina, serina, treonina, tirosina e valina;

Lípidos: triglicerídeos e ácidos graxos livres , açúcares como sucrose, glicose, frutose, arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos;

Vitamina B e ácidos clorogênicos;

Caféina.

Devemos, no entanto, salientar que durante a torrefação podem ocorrer mudanças na composição. Por isso, antes de comprar qualquer produto procure informar-se sobre a forma como este foi feito.

Sozinhos ou combinados, todos estes elementos têm efeitos no corpo humano. Depois da ingestão, o corpo absorve cada um deles. Se há alguns efeitos que são sentidos a longo prazo, outros têm efeitos imediatos. Mas, de onde é que eles vêm?

A caféina é uma substância semelhante à adenosina, uma substância que se encontra no cérebro e que reduz a sensação de cansaço. Este fator explica o efeito estimulante do café que nos mantém alerta e ajuda a concentração.

Por outro lado, as moléculas da cafeína melhoram o rendimento atlético, servindo como combustível, melhoram o processo que leva o oxigénio e os nutrientes ao cérebro e ajuda o sistema circulatório, potenciando o funcionamento do coração.