20131107-latte-rosetta

Já imaginou encontrar Leonardo Di Caprio, David Bowie ou Oprah Winfrey dentro de uma chávena de café? A ideia é de Mike Breach, um barista particular que se dedica a transformar figuras mediáticas em verdadeiras obras-primas, em Latte Art.

O nome do norte-americano já correu o mundo e foi notícia em órgãos de comunicação de vários países. O sucesso é propagado pelas redes sociais, mais particularmente pelo Instagram, onde Mike Breach tem já mais de 50 mil seguidores.

Até à data, já muitas pessoas passaram pelas chávenas do barista: de Nelson Mandela a Axel Rose, passando por personagens de Game of Thrones e até mesmo Miley Cyrus e o seu famoso twerk.

Mas, como será que tudo começou? Como outras grandes ideias, também a Latte Art de Mike Breach começou como uma brincadeira. Deparando-se com um baixo número de pedidos, o barista começou a apostar em elementos visuais simples para decorar as suas chávenas.

Com o passar do tempo, foi aperfeiçoando a técnica e começou a apostar em imagens mais complexas e personalidades. Hoje, basta ver a imagem de alguém no smartphone para que a consiga copiar para a chávena. Ora veja.

 

Latte Art: bebidas que se bebem com a boca e os olhos

O especialista critica a seriedade do mundo do café e afirma que gosta de brincar com os elementos da bebida para criar bebidas que se bebam não só com a boca como com os olhos. A sua arte dá até azo a brincadeiras que envolvem nomes de “novas” bebidas, como Leonardo Di Cappuccino ou Al Cappucinno.

Um das inspirações é Willie Wonka e o conceito por detrás do filme “Charlie e a Fábrica de Chocolate”. O objetivo é dar às bebidas mais do que sabor e transformá-las em verdadeiras peças de arte.

Embora retrate tudo e mais alguma coisa, Mike Breach trabalha essencialmente com figuras da cultura pop. Visitando o seu Instagram é possível encontrar as versões Latte Art do álbum Abbey Road, dos Beatles, Darth Vader ou Frankenstein.

Em entrevista aos meios de comunicação social, o barista diz que costuma achar piada às reações das pessoas. Segundo Mike Breach, a maioria tem até pena de estragar o desenho.