cafe_en_taza_muralesyvinilos_3751223__XLNational Cancer Institute, nos Estados Unidos, defende que beber café descafeinado pode ser benéfico para a saúde do fígado. Os resultados do estudo publicado na revista Hepatology demonstram que o alto consumo de café sem teor de cafeína foi associado a níveis mais baixos de más enzimas hepáticas.

O café que bebemos diariamente contém inúmeros enzimas para além da cafeína: potássio, magnésio, cálcio, ferro, sódio, gorduras, açúcares, sais minerais, substâncias antioxidantes e vitaminas do complexo B.

Nos últimos anos, a pergunta “O café faz mal ao fígado?” já foi tema de debate para muitas discussões geradas à volta dos benefícios do café. Na verdade, o papel benéfico do café já antes tinha sido comprovado: melhoria da atenção e concentração, aumento da energia física, alívio de dores de cabeça, entre outros. O que faltava provar era se o descafeinado surtia o mesmo efeito.

A questão foi esclarecida pelo mais recente estudo conduzido por Qian Xiao do National Cancer Institute em Bethesda, EUA. A investigação levanta a hipótese de que o consumo de descafeinado exerce o mesmo tipo de benefícios para o fígado que o consumo de café. Anteriormente, já estava confirmado que o consumo de café poderia exercer um efeito protetor sobre o fígado. O que faltavam eram evidências de que o mesmo se aplicava ao descafeinado.

Estudo: o descafeinado faz bem ao fígado?

A investigação teve como base os resultados de uma sondagem feita a 27.793 pessoas com 20 ou mais anos de idade entre 1999 e 2010 e que responderam a perguntas sobre os seus hábitos de consumo de café. Os níveis sanguíneos dos participantes foram medidos, nomeadamente alguns referentes à função hepática, nos quais se destacam a alanina transaminase (ALT), aspartato transaminase (AST), fosfotase alcalina (ALP) e gama glutamil transpeptidase ou gama (GGT).

Quem consumiu 3 ou mais cafés por dia revelou níveis mais baixos de ALT, AST, ALP e de GGT, comparativamente com os que não consumiam café. Os participantes que consumiam descafeinado revelavam níveis igualmente inferiores das mesmas enzimas hepáticas.

Estes dados sugerem que ingredientes do café – exceto a cafeína – poderão promover a saúde do fígado.

O café é a segunda bebida mais consumida no mundo. Em Portugal, cerca de 80% da população consome café diariamente e as preferências dos portugueses recaem no café expresso.