A versão de “Black Coffee” da irlandesa Sinead O’Connor integra o terceiro álbum de estúdio da cantora. Lançado em 1992, Sinead dedicou “Am I Not Your Girl?” aos sem-abrigo de Nova Iorque.

 

 
 

“Black Coffee” é uma das inspirações de Sinead O’Connor

Após um grande sucesso inicial, Sinead O’Connor decidiu, em 1992, lançar um álbum de versões. O resultado final foi um disco com 12 músicas que, segundo a cantora, representa uma coleção das canções que cresceu a ouvir e que fizeram com que quisesse tornar-se numa cantora.

O nome do álbum – “Am I Not Your Girl?” – foi retirado da canção “Success Has Made A Failure of Our Home” e revela as influências jazz da cantora irlandesa. O disco foi dedicado aos sem-abrigo de Nova Iorque, em especial aqueles que a cantora conheceu nas ruas de Manhattan.

No entanto, a dedicatória não foi suficiente para pôr fim ao às polémicas em que a artista estave envolvida e que, dizem alguns, ditaram o fracasso comercial. Em todo o mundo, apenas foram vendidos 1, 5 milhões de cópias, um número francamente baixo quando comparado com os 7 milhões do álbum anterior.

No centro da questão estava uma polémica que ocorreu em agosto de 1990, em que a cantora se recusou a subir ao palco do Garden State Arts Center, nos Estados Unidos da América,  dizendo que não cantaria depois do hino nacional de um país hipócrita e racista.

O episódio causou uma onda de protestos e foi inclusive criticado pelo próprio Frank Sinatra que atuava no mesmo sítio, no dia seguinte. A exposição nos tabloids e a onda de críticas fez com que algumas das rádios dos Estados Unidos deixassem de passar a sua música. A publicidade negativa fez com que os seus níveis de popularidade fossem afetados.

A juntar a tudo isto, importa ainda referir o toque de assuntos polémicos quer no que diz respeito a abusos sexuais, vícios e assuntos religiosos.

Polémicas à parte, “Black Coffee” é uma das 12 músicas que integra este álbum de versões. Ouça e desfrute do origignal de Sarah Vaughn, pela voz de Sinead O’Connor.