Articles-image-312 Ao longo dos anos o café sofreu várias metamorfoses de acordo com as regiões em que  foi consumido. Em Itália, país considerado por alguns como a pátria do café, surgiram variantes onde o sabor forte da bebida se mistura com outros ingredientes igualmente característicos. Neste post, falamos-lhe do bicerin, uma bebida tradicional italiana da cidade de Turim.

Famoso entre intelectuais e escritores, o bicerin ganhou popularidade por volta do século XIX, através das palavras do romancista francês, Alexandre Dumas, o autor de obras icónicas como o “Conde de Monte Cristo” ou o clássico, “Os Três Mosqueteiros”. Entre os apreciadores da bebida encontram-se também nomes como Pablo Picasso, Ernest Hemingway ou o italiano Umberto Eco.

Mas, afinal, em que consiste o Bicerin? A bebida significa “copo pequeno” em piemontês, uma espécie de dialeto do norte de Itália, é composta por uma mistura de café expresso e chocolate quente, coberta por uma camada de espuma de leite. Tradicionalmente servida num copo redondo, acredita-se que seja inspirada numa bebida semelhante, criada no século XVIII, a bavareisa.

O que distingue o bicerin da bravareisa é o facto de a segunda apresentar os ingredientes em camadas (uma espécie de mocaccino), ao contrário da primeira, onde café e chocolate se unem para dar origem a um sabor único, característico das zonas frias do norte de Itália.

Embora os ingredientes sejam conhecidos, a verdade é que as quantidades utilizadas em cada bicerin permanecem no segredo dos deuses. Cafetarias de Turim competem pelo melhor equilíbrio e recusam-se a revelar a receita exacta das suas bebidas.

E a verdade é que a competição já não é de agora. Conta a história que o primeiro bicerin foi servido, no século XVIII, pela Caffè Al Bicerin , uma cafetaria situada na Piazza della Consolata. No entanto, a versão não é consensual e existem alguns que acreditam que a bebida surgiu não neste estabelecimento, mas no Caffè Fiorio, que atualmente se situa na Via de Po.

De acordo com a tradição, na sua origem o ritual do bicerin previa que os ingredientes fossem servidos separadamente. Assim, a bebida apresentava três versões: o “pur e fior”, com café e espuma, semelhante a um cappuccino; o “pur e barba”, que juntava café e chocolate; e o “‘n pòc ‘d tut2, ou um pouco de tudo, com café, chocolate e espuma de leite.

Em 2001, o bicerin foi oficialmente considerado como um produto tradicional da região de Piemonte e o consumo passou a ser obrigatório por todos os turistas e amantes de café em geral. Conhecida pela tradição na produção de Chocolate, a cidade de Turim foi o berço desta bebida de sabor doce e forte. E de uma coisa não há dúvidas: o bicerin é mais do que um simples café com leite e chocolate.